Sobre os Queen          Cronologia          Discografia          Freddie Mercury          Brian May          Roger Taylor          John Deacon

Mercury

Freddie

 

Nome: Farrokh Bulsara
Data de Nascimento: 5 de Setembro de 1946 - 24 de Novembro de 1991 
Lugar de Nascimento: Zanzibar, Tanzânia
Instrumentos: Vocais, piano, guitarra e teclas.

 

A vida de Farrokh Bulsara começou na ilha de Zanzibar a 5 de Setembro de 1946. 25 anos mais tarde, com o nome de Freddie Mercury, estava à frente de uma lendária banda de Rock chamada Queen.  


Filho de Bomi e Jer Bulsara, Freddie passou a sua infância na India onde andou no internato de St. Peter. Começou a ter aulas de piano com sete anos. Ninguém poderia prever até onde o amor pela música o iria levar. 


A família Bulsara mudou-se para Middlesex em 1964, onde Freddie se juntou a uma banda de Blues chamada Wreckage enquanto estudava design gráfico no Ealing College of Art. Na altura em que era vocalista dos Wreckage, um colega apresentou Freddie a Roger Taylor e Brian May, membros fundadores de uma banda chamada Smile. Os Smile transformaram-se nos Queen quando Freddie se juntou a Roger e Brian como o vocalista da banda.  O membro final da banda, que se iria manter nos próximos 20 anos, foi o baixista John Deacon, que se juntou à banda a 1 de Março de 1971.

 

A vida de Farrokh Bulsara começou na ilha de Zanzibar a 5 de Setembro de 1946. 25 anos mais tarde, com o nome de Freddie Mercury, estava à frente de uma lendária banda de Rock chamada Queen.  


Filho de Bomi e Jer Bulsara, Freddie passou a sua infância na India onde andou no internato de St. Peter. Começou a ter aulas de piano com sete anos. Ninguém poderia prever até onde o amor pela música o iria levar. 


A família Bulsara mudou-se para Middlesex em 1964, onde Freddie se juntou a uma banda de Blues chamada Wreckage enquanto estudava design gráfico no Ealing College of Art. Na altura em que era vocalista dos Wreckage, um colega apresentou Freddie a Roger Taylor e Brian May, membros fundadores de uma banda chamada Smile. Os Smile transformaram-se nos Queen quando Freddie se juntou a Roger e Brian como o vocalista da banda.  O membro final da banda, que se iria manter nos próximos 20 anos, foi o baixista John Deacon, que se juntou à banda a 1 de Março de 1971.

 

O resto é história do Rock. A Emi Records e a Elektra Records assinaram com a banda e em 1973 o álbum de estreia Queen foi lançado, dando assim inicio a um dos desenvolvimentos mais emocionantes no Rock.  

O imortal single Bohemian Rhapsody com o seu estilo operático foi lançado em 1975 e manteve-se no top do Reino Unido durante nove semanas. A música que esteve perto de nunca ser lançada devido ao seu tamanho e estilo inédito mas que Freddie insistiu que fosse tocada, tornou-se um hit reconhecido instantaneamente. Nesta altura, o talento único de Freddie era já reconhecido, uma voz com um alcance notável e uma presença de palco que deu aos Queen a sua personalidade colorida, imprevisível e extravagante. 


A popularidade dos Queen depressa ultrapassou as barreiras do Reino Unido, chegando a tops e triunfando pela Europa, Japão e Estados Unidos onde em 1979, chegaram ao topo dos tops com a música de Freddie Crazy Little thing Called Love.


Os Queen foram sempre geridos como uma organização democrática. Todos os quatro membros da banda foram responsáveis por singles que chegaram ao primeiro lugar dos tops. Esta massiva capacidade de escrita combinada com as luzes espetaculares, um som sem falhas, a brilhante teatralidade e os movimentos de ballet de Freddie, tornaram espetáculos e os vídeos dos Queen em algo lendário. 


Através da habilidade de Freddie projetar a música e imagem dos Queen, e a si próprio, atá aos quatro cantos de salas com 70 000 lugares, a banda ficou conhecida como os pioneiros do Rock em estádios, uma reputação perpetuada pelas suas tácticas inovadoras na América do Sul onde em 1981 tocaram para cerca de 231 mil fãs em São Paulo, quebrando o recorde da altura. Também se tornaram conhecidos como uns dos inovadores principais nos vídeos pop com o seu catalogo de clipes de 3 minutos a tornarem-se cada vez mais aventureiros em estilo, tamanho e conteúdo. 


O seu sucesso fenomenal continuou a espalhar-se pelo globo durante os anos 80, com o destaque do seu inesquecível concerto que roubou todas as atenções em 1985 no palco do Live Aid, cena principal do principal do filme biográfico Bohemian Rhapsody, lançado em 2018 .

A meio dos anos 80, Freddie começou a concentrar-se na sua carreira a solo, que foi gerida em conjunto com os Queen ("A nave mãe") durante vários álbuns, começando com Mr. Bad Guy lançado em 1985. A muito aclamada capacidade de auto paródia de Freddie atingiu o seu pico com a sua versão cover de The Great Pretender, dos The Platter, em 1987, com um vídeo em que se mostrava a descer uma escada entre vários recortes de cartão com a sua imagem. 


A sua primeira colaboração de peso fora dos Queen aconteceu com Dave Clark durante a gravação do Musical do West End em Londres, intitulado Time, em 1987. Em 1987, Freddie viu realizado um dos seus maiores sonhos; gravar com a diva de opera Montserrat Caballé. A música que dava titulo ao EP, "Barcelona", tornou-se num hino para a cidade natal de Montserrat e tema dos Jogos Olímpicos de 1992. 


Apesar de reconhecido como o front man de uma das bandas de rock mais progressivas dos anos 70, Freddie desafiou o estereotipo. Aventurando-se em novos territórios - um caminho que teve uma grande influência na direção que os Queen iriam tomar - que levou Freddie a explorar os seus interesses em vários campos das artes, particularmente nas áreas do ballet, ópera e teatro, tendo até um papel activo: em Outubro de 1977, o London Coliseum esgotado recebia uma gala de caridade organizada pelo dançarino principal da Royal Ballet Principal, Wayne Eagling, na qual Freddie apareceu de surpresa executando uma coreografia desenvolvida por Eagling. Em 1987, realizou uma aparição de uma noite na peça Time de Dave Clarke no Dominion Theatre, e reza a lenda que Freddie ocasionalmente aparecia no teatro para apoiar o musical de Clarke, chegando mesmo numa noite a vender gelados no interior do teatro. Freddie teria adorado o facto de o Dominion ter sido a casa do bem sucedido musical da banda We Will Rock You que esteve em apresentação durante 12 anos, e que ainda hoje anda pela estrada.


Entre 1988 e 1990 Freddie realizou as suas últimas gravações em estúdio com os Queen, destes trabalhos resultariam The Miracle (1989), Innuendo (1991), e ainda o álbum póstumo Made In Heaven (1995), que contou com algumas das gravações destas sessões.


A 24 de Novembro de 1991, a luta de Freddie contra a SIDA terminou, quando este acabou por falecer apenas 24 horas depois de ter anunciado publicamente que tinha esta doença. Músicos e fãs de todo o mundo prestaram os seus maiores sentimentos, depois do desaparecimento do símbolo do rock mais inovador e extravagante, a sua partida significava o final de uma era, marcada pelo Concerto de Tributo a Freddie Mercury no Wembley Stadium a 20 de Abril de 1992, que serviu de berço para a Mercury Phoenix Trust, uma organização de caridade direcionada para o problema da SIDA e desenvolvida em memória de Freddie pelos restantes membros dos Queen e por Jim Beach. 


Freddie Mercury, tornou-se numa estrela, enquanto, em simultâneo, dava um novo significado à palavra espetáculo, deixando um legado de músicas que nunca irão perder o seu estatuto de clássicos intemporais. Algumas das mais comoventes foram imortalizadas no álbum Made in Heaven lançado em Novembro de 1995. Made in Heaven continha uma imagem que mostrava a vista da casa de Freddie em Montreux. 


Apesar de terem já passado vários anos desde que Freddie perdeu a sua vida, devido a complicações relacionadas com HIV, ele permanece nas mentes de milhões por todo o mundo como um dos melhores artistas que já existiram. Em Setembro de 2010 (por coincidência, na altura do 64.º Aniversário de Freddie) foi realizada uma sondagem entre fãs de rock, que determinou que Freddie seria o Maior Lenda de Rock de Todos os Tempos, batendo Elvis Presley, e ficando à frente de David Bowie, Jon Bon Jovi, Jimi Hendrix e Ozzy Osbourne. 


O representante da OnePoll.com que realizou a sondagem disse: "Freddie Mercury tinha tudo, a voz, a imagem, a presença em palco, tudo."


"Ele combinava o seu ouvido para a música com a habilidade de agradar a audiências de estádios e por isso, milhões ficaram devastados quando o HIV o matou em 1991. A sua lenda irá viver para sempre." - OnePoll.Com, 6 de Setembro de 2010


A 5 de Setembro de 2010, assistiu-se ao lançamento do Freddie For a Day pela Mercury Phoenix Trust, uma enorme iniciativa anual realizada todos os anos no aniversário de Freddie, com o intuito de celebrar a sua vida e angariar fundos para a fundação. O projeto encoraja os fãs a vestirem-se como Freddie por um dia e assim, arrecadar fundos para a MPT através do patrocínio. Ninguém poderia ter imaginado a resposta extraordinária à iniciativa  que resultou, logo no primeiro ano, em pelo menos 24 países por todo o mundo, da Argentina à Ucrânia, a abraçar a ideia e a prestar o seu tributo especial a Freddie. Iniciativa esta que se tem mantido todos os anos, incluindo em Portugal, com várias iniciativas no Hard Rock Cafe, desde 2011, ano da fundação do Queen Portugal, o Freddie For a Day contou sempre com o apoio da nossa Comunidade, sendo já celebrado no Hard Rock Cafe de Lisboa e do Porto.


A vida de Freddie Mercury continua a ser celebrada todos os anos através da festa oficial de fãs, organizada em sua honra, no seu aniversário, produzida pela Mercury Phoenix Trust em  Montreux na Suíça. 


www.mercuryphoenixtrust.com

© 2011 - 2020 - Queen Portugal - Portal da Comunidade de Fãs Portugueses dos Queen