Lívia Barros, a concorrente do The Voice Kids Portugal, que virou todas as cadeiras nas provas cegas do The Voice Kids ao encantar os júris com uma versão magnifica de Bohemian Rhapsody, na semana passada passou na sua primeira gala, após ter vencido anteriormente a batalha de equipas.


No próximo Domingo a pequena grande Lívia estará de regresso ao The Voice Kids Portugal, para mais emissão em directo, pelo meio deu uma entrevista à Revista Trimestral Vida Ribatejana, conduzida brilhantemente pelo grande fã dos Queen Joel Balsinha, e ainda com uma pergunta especial do Grupo Queen Sempre.


Passamos assim a republicar essa entrevista devido à importância que acreditamos ter, agradecendo especialmente à Revista Trimestral Vida Ribatejana e ao Joel Balsinha.

Nome: Lívia Barros Idade: 14 anos Ocupação: Estudante na Soeiro Pereira Gomes e no Atneu Vilafranquense Hobbies: Tocar piano, cantar, desenhar e ouvir música Projeto: Estudar canto individualmente, continuar com piano e aprender outros instrumentos como Guitarra Eléctrica Residência: União de Freguesias de Alhandra, S. João dos Montes e Calhandriz faz seis anos

A adolescente, estudante da Escola Soeiro Pereira Gomes e moradora na União de Freguesias de Alhandra, São João dos Montes e Calhandriz, que divertiu-se em cima de palco do "The Voice Kids", transmitido pela RTP 1 aos domingos à noite, cresceu no Recife, no Brasil de onde partiu faz seis anos com destino a Portugal com os seus pais e irmã por questões de insegurança, sonha em ser cantora, gosta de música como a sua família, que se encontra distante e separada pelo oceano Atlântico, mas não esquece os tios e sente muito a falta dos seus avós. Vida Ribatejana - Foi a primeira vez que participou num programa musical?

Lívia Barros - Participei pela primeira vez. Apresentei-me diante muitas pessoas num programa como este do "The Voice Kids". Sempre sonhei. Senti-me muito envergonhada. VR - Quando decidiu participar no programa?

LB - Não fui eu que decidi. Foram os meus pais que inscreveram-me no programa. Eu não fazia ideia que as inscrições estavam abertas. VR - Como foi a preparação? LB - Foi tudo espontâneo. Eu não tenho aulas de canto particular. Tenho coro juvenil, mas não é a mesma coisa que uma preparação de alguém profissional. Eu treino em casa com os meus pais que me ensinam. VR - Como correu a prova cega? LB - Correu bem. Eu não me senti muito nervosa. Eu me diverti em cima do palco a tocar piano. Mesmo ouvindo a plateia com muita gente a gritar, a chamar o meu nome e os botões a serem apertados e o barulho, tentei concentrar-me nesse momento. Não sei explicar esta sensação. É uma boa experiência. Não vou esquecer-me. Fiz muitos amigos, que não considero concorrentes, durante as apresentações e no guarda-roupa. Criei amizades com quem converso diariamente. VR - O motivo da escolha do mentor? LB - Desde que cheguei aqui a Portugal faz seis anos que tanto eu como os meus pais gostamos de uma banda chamada Amor Electro. Desde então, nós ficamos fãs da Marisa. Eu me identifico com o estilo de voz e o cantar dela. Na hora confesso que senti um pouco de indecisão entre a Marisa Liz e Carolina Deslandes. Segui o meu coração. Sinto que fiz a escolha certa! VR - Quais as reações de familiares e colegas de escola após a sua atuação em palco? LB - Mandaram-me imensas mensagens. É muito importante para mim não só por serem os amigos da escola. Também existiram outras pessoas de lá que não sabiam que cantava. Eu nunca recebi mensagens além da minha família e dos meus amigos. Tive o apoio da minha família. É uma experiência nova que vou ter de me habituar e que ao mesmo tempo gosto. Sei que vou receber mensagens tanto positivas como negativas. Tenho consciência disso. VR - Como nasceu o gosto para a música? LB - Os meus pais não influenciaram muito. Da parte da família do meu pai tocam violão. O meu pai toca guitarra. Eu cantava com a minha mãe. Nós frequentávamos uma igreja no Brasil. Eu nasci e cresci vendo os meus pais a tocar, cantar e as escutar músicas bem como os outros familiares. Eu ouvi e acabei influenciada a cantar e a tocar. VR - Quando cresceres queres ser cantora profissional? LB - Sim gostava de ser cantora profissional. Eu além disso gostava de ensinar música. Vou pensar até lá como será o melhor caminho. VR - Qual foi a sensação das cadeiras virarem? LB - Eu estava muito concentrada no piano. Estava feliz. Comecei a sorrir quando a Carolina Deslandes voltou. Percebi que era a última cadeira. Estava nervosa. Senti-me realmente muito feliz. Não sei muito bem como explicar.

VR - Ficou intimidada? LB - Como não estava habituada a ver tantas pessoas, o fato de pisar aquele palco e com tantos olhares não fiquei intimidada, só um pouco nervosa. VR - O que foi dito pelo júri? LB - Acho que o que a Marisa e os outros mentores disseram foi muito importante para mim. Eu ouvi elogios dos mentores que são pessoas já famosas com experiência. Foi algo muito importante para mim porque só costumava ouvir comentários de amigos e famílias e não de profissionais. VR - Qual o seu ídolo musical? LB - O meu ídolo musical é Freddie Mercury e a portuguesa é a Marisa Liz. VR - Porque optou pela canção “Bohemian Rhapsody” de Queen na Prova Cega? LB - Desde que estava na barriga da minha mãe que ouvia Queen. A minha mãe ouvia música de Queen durante toda a sua infância através dos seus irmãos. Eu tive influência dos meus pais. Os meus tios são muito fãs. Quem é fã nunca deixa de ser. Eu vi em 2018 ou 2019, não me lembro bem, o filme Bohemian Rhapsody com os meus avós paternos. Após vê-lo fiquei com muita curiosidade para pesquisar e ouvir músicas sobre Queen. Até ao dia de hoje escuto. Eu tenho álbuns, camisolas e bonecos de coleção. VR - Que músicas gosta de Queen? LB - Gosto de todas as músicas do Queen. Não tenho como escolher uma música apenas. Eu canto imenso com a minha mãe, as mais antigas e até aquelas que muitas pessoas não conhecem, para além de Bohemian Rhapsody, Somebody to Love, Dont´t Stop Me Now e We Are the Champions. Eu escuto as que a minha mãe mais recomenda. Sinto que sou mesmo super fã.

Eu fiquei muito entusiasmada quando descobri que os meus avós paternos estiveram no primeiro Rock In Rio ainda com Freddie Mercury vivo. Eu quando soube desta história, em que eles conheceram Freddie Mercury, fiquei mais entusiasmada. A minha tia tem um autógrafo do Brian May. Os meus pais também foram ao Rock In Rio em Portugal e estiveram mesmo pertinho dele. VR - Que sugestão deixa para quem queira participar no programa "The Voice Kids"? LB - É muito difícil chegar naquele palco porque foram várias crianças no casting. Ser escolhido entre as pessoas é importante. Não é só estar no "The Voice Kids" e pensar que se vai ficar famosa, mas viver aquela experiência, fazer música no palco e divertir. Se não passar a etapa, não passou e viveu aquele momento. Se continuar ótimo. É bom para as crianças porque ainda temos um futuro imenso pela frente. O fato só de guardar a participação na memória é ótimo. VR - Que aspirações tem no programa? LB - Eu quero dar o meu máximo, divertir-me e fico satisfeita até onde chegar, no programa. Se chegar à final, ótimo se não tudo o que já passei foi maravilhoso. Pergunta realizada a pedido do Grupo Queen Sempre

«Que sonho tem em relação a Queen? LB - "Gostaria muito de um dia poder ir a um show com Brian May, Adam Lam e Roger Taylor. É um dos sonhos que pretendo realizar e até receber um autógrafo deles. Gostava de estar lá mesmo a assistir ao espetáculo com os meus pais, a cantar as minhas músicas preferidas e sentir aquele ambiente com imensa gente. Vejo fotos, vídeos e tenho álbuns com live de Queen".»


Após o enorme sucesso da Queen Stamp Collection do ano passado, o Royal Mail lança um conjunto de 6 selos dos nossos rapazes.


Uma homenagem ao legado dos Queen, que este ano celebram 50 anos.


Este número marca a primeira vez que todos os membros de uma banda surgem num selo do Royal Mail. O celebre brasão da banda surge ao lado dos selos.


Clique aqui para comprar agora.


Fonte: Queen Online | A Queen Of Magic



Panic Attack 2021 é o antídoto para a ansiedade causada pelo Covid!! Os sorrisos fazem parte deste tema, que quanto mais alto for escutado, melhor funciona! - Brian May

Ontem, o nosso Brian May e o cantora Kerry Ellis anunciaram, ao vivo, através dos seus Instagrams, o lançamento digital da sua nova faixa, Panic Attack 2021, juntamente com um novo videoclipe criado pelos dois artistas com as câmaras dos seus iPhones. O evento espalhou-se rapidamente nas redes sociais.


A nova faixa Panic Attack 2021 de Brian e Kerry foi lançada oficialmente hoje, e está agora disponível para download e stream.


O lançamento deste novo tema, carregado de energia positiva vem também depois de Brian e Kerry apresentarem uma versão simplificada da música como parte da sua participação no programa 'Variety' do Rise Up With The Arts Global Charity Livestream no passado fim de semana. Este programa contou com a presença de muitos dos maiores nomes da Broadway e do West End, servindo para para apoiar aqueles que trabalham em artes cênicas e entretenimento.

Panic Attack 2021 é uma recriação ousada do clássico de Kerry/Brian de 2017 It's Gonna Be All Right (The Panic Attack Song), um ponto de vista pessoal de Brian May, tido muito antes do mundo ter sido abalado pelo Covid-19, e originalmente incluído no álbum Golden Days da dupla.

Divulgando como surgiu a nova versão, Brian disse: “No final de 2020, havia a sensação de que talvez dizer adeus a esse ano traria um alívio em relação à pandemia e que uma nova era de esperança iria começar naquele momento. Infelizmente, após uma celebração muito silenciosa e restrita do Natal, o Ano Novo amanheceu com a compreensão de que a luta da humanidade provavelmente iria piorar antes de melhorar. Kerry e eu percebemos que a música The Panic Attack agora tinha um significado totalmente novo, para literalmente milhões de pessoas ao redor do mundo que sentiam uma sensação crescente de pânico. No Reino Unido, havia definitivamente a sensação de que todos tínhamos sido enganados nos nossos "Feliz Ano Novo!". Por isso, queríamos marcar a ocasião de uma forma totalmente real e transparente. ”


Brian reescreveu apressadamente as letras com uma nova inspiração, uma versão ainda em desenvolvimento de Panic Attack 21 foi para o ar pela primeira vez, de uma forma ambiciosa, com a dupla em direto no Instagram na véspera de Ano Novo. “Sabíamos que devia ser um desastre pois os atrasos nessa situação de transmissão impossibilitam a sincronização de dois utilizadores em sítios diferentes. Mesmo assim, avançámos - por pura teimosia, na verdade - porque queríamos marcar a ocasião de uma forma totalmente real e transparente”.

Com a Grã-Bretanha a voltar novamente ao confinamento, voltar ao estúdio para refazer a faixa foi impossível durante muitas semanas. Brian terminou a nova letra e Kerry preparou-se para gravar uma nova versão da performance vocal no único equipamento que ela tinha à disposição - um microfone ligado ao Garage Band do laptop que tinha na cozinha da sua casa!

Através de troca de e-mails e com reuniões Zoom, a dupla criou uma nova faixa vocal para Panic Attack, enquanto reunia ideias para uma nova mixagem e um vídeo inovador. A comandar todo este projeto estava o desejo de criar algo que realmente reacendesse alguma esperança, relembrando os ouvintes de que, apesar dos infindáveis ​caminhos errados - e nas palavras da música - as coisas IRIAM, de alguma forma ficar BEM !!!

Finalmente, depois de lutar ainda mais com as gravação em casa, as restrições foram aliviadas ao ponto de Brian e Kerry poderem encontrar-se durante alguns dias para trabalhar, socialmente distantes, no estúdio de Brian. O engenheiro de longa data dos Queen e de Brian May e co-produtor Justin Shirley Smith - ele próprio recém-recuperado da Covid - trabalhou ao lado de Brian num extenso trabalho de guitarra, incluindo um novo solo e numa mistura dinâmica. Em poucos dias, novamente através da troca de ideias com Kerry por via digital, a nova faixa foi concluída.

Um vídeo? Essencial para transmitir a pungência das novas letras. Mais uma vez, a dupla adotou uma abordagem DIY - desta vez gravando sozinhos nas suas casas usando os seus iPhones. O trabalho de montar a filmagem e produzir o vídeo coube ao amigo e produtor de vídeo dos Queen, Simon Lupton, que atualmente está a produzir os 50 episódios de "Queen - The Greatest" - uma série de podcasts de vídeo que destacam os momentos decisivos dos Queen ao longo dos anos.

“Os vídeos auto-filmados de Brian e Kerry foram incríveis e o material perfeito para este vídeo”, diz Simon, “mas, em última análise, é o brilho das suas performances que abrilhantam e tornam tão atraente a sua visualização. Tivemos a sorte de ter Jake McBride, dos Animind Studios, a trabalhar magicamente para ajudar a destacar a energia e a alegria proveniente desta música. ”

“Estou muito animado para começar este ano com uma música cheia de esperança”, disse Kerry. “Montar o Panic Attack 2021 durante um confinamento teve os seus desafios, mas também teve a sua beleza. A música é tão poderosa e é incrível o que se pode criar mesmo com tantas restrições. Espero que esta música e vídeo dê às pessoas tanta esperança e alegria quanto me deu a mim e ao Brian que a fizemos. Todos nós tivemos um ano bastante difícil, mas lembrem-se: ‘vai ficar tudo bem!’"


“Todos nós já passámos por tempos difíceis”, diz Brian May. “Agora queremos dar esperança de que dias melhores que virão.”

PANIC ATTACK 2021 está agora disponível para download e stream.



Fonte: Queen Online

 

SOBRE NÓS:

O Homem, por si só, não consegue viver isolado. Os seres humanos precisam de comunicar, expressar… precisam que a sociedade lhes garanta uma estrutura onde ele se revejam. As comunidades são importantes porque acolhem, protegem e permitem a partilha. São micronações reguladas de forma endógena pelo interesse no bem comum e o Queen Portugal é tudo isto sendo que o nosso bem comum são a melhor banda de rock de todos os tempos: os Queen.

© QUEEN PORTUGAL
2011 - 2021