Os One Vision - banda portuguesa de Tributo a Queen, vão celebrar os trinta e cinco anos dos míticos concertos dos Queen no Estádio de Wembley em 1986.


No próximo dia 24 de Julho (Sábado), a banda irá subir ao palco da Cine Incrível em Almada pelas 21h00, para um concerto especial onde grupo promete recriar o ambiente do célebre "Queen Live at Wembley '86".


Os One Vision darão um espetáculo onde serão relembrados temas marcantes tocados pelos Queen naquelas mágicas noites de 1986, dando os seu já característico cunho pessoal à performance.


Todas as informações quanto a bilhetes são obtidas através de cineprograma@gmail.com.


Foi no dia 12 de Julho de 1986 que os Queen actuaram no Estádio de Wembley, perante cerca de 72 000 pessoas, esta era a segunda de duas históricas noites naquele Estádio.


A banda estava na Estada com a Magic Tour, tendo tomado decisão de não tocar em salas fechadas, mas sim em estádios. Embora isto seja prática comum nos dias de hoje, em 1986 muito poucas bandas chegavam a fazer um só espectáculo num estádio. Apenas uma banda com o êxito dos Queen podia fazer esgotar espaços com estas dimensões. Tinham-no feito na Argentina e no Brasil, e voltariam a fazê-lo. Como disse Freddie, «quanto maior, melhor! Em tudo.» Os bilhetes para os concertos da digressão esgotaram em poucas horas e, ao longo daquele verão, os Queen tocaram para mais de dois milhões de fãs.


Inicialmente para Wembley estava apenas agendada uma data, no entanto quando os bilhetes para o espectáculo de sábado, 12 de Julho, esgotaram em poucas horas, foi acrescentado um segundo concerto para sexta-feira (dia 11). Os Queen tornaram-se, assim, a terceira banda de rock na história da música a tocar em dois dias consecutivos neste estádio.

A segunda noite em Wembley é provavelmente o mais famoso e mais bem documentado concerto da carreira dos Queen. O concerto foi filmado por 15 câmaras com a intenção inicial de ser transmitido na TV em Outubro daquele ano. Havia rumores de que o David Bowie poderia juntar-se à banda para a Under Pressure, mas nunca aconteceu. Mick Jagger estava no público e esteve com o grupo antes do concerto, os INXS, Status Quo e The Alarm fizeram a primeira parte.

A banda, particularmente Freddie, aparentam estar um pouco nervosos em vários momentos da noite, sabendo bem que este era um concerto importante que estava a ser filmado para ser visto por milhões de pessoas ao logo dos anos. A voz de Freddie não está tão bem quanto na noite anterior, o que levou a muitas partes vocais serem refeitas para a TV, rádio e lançamentos oficiais.

Os nervos do Brian aparecem cedo, onde o guitarrista falha o solo no meio da One Vision (a única vez que isto aconteceu durante toda a tour) e mais tarde Brian salta a primeira parte do solo de Hammer to Fall, algo que também fez no concerto em Bruxelas.

Com todas estas pequenas falhas à parte, as imagens mostram como os Queen tinham dominado a sua arte, tendo provavelmente construído o concerto de estádio perfeito.

O concerto revela uma banda que, através do carisma de Freddie Mercury, foi capaz de se conectar com cada uma das 72,000 pessoas que presentes no Estádio de Wembley. Brian May diria mais tarde, que a dedicação e o nível de trabalho dos Queen em tour era óptimo, tendo-se tornado numa máquina bem oleada.


Antes de Who Wants To Live Forever, Freddie insiste "Vamos ficar juntos até morrermos, tenho a certeza." Há uma grande verdade em relação a essa afirmação, algo que ele poderia já estar a par naquela altura.


Depois do improviso, Brian mostra como se constrói um solo. Totalmente oposto ao fraco solo da noite anterior, o deste dia é magnífico e talvez o exemplo perfeito da sua musicalidade quando numa situação importante.


Este é um dos concertos onde o Freddie grita "Go Johnny" durante a instrumental da Now I'm Here, em referência à Johnny B. Goode de Chuck Berry.

O chapéu com o qual o Freddie é visto na parte acústica, foi “roubado” a um segurança no concerto de Newcastle à vista de todos.

A banda toca mais algumas covers hoje, ambas pela última vez - Gimme Some Lovin' e Big Spender. As músicas tinham sido treinadas no princípio da tour, e Big Spender tinha sido tocada ao longo dos anos 70.

Parte de Baby I Don't Care, gravada de um ângulo diferente do que foi lançado em DVD, foi mostrada na Televisão espanhola, pouco depois do concerto.

Este concerto foi transmitido ao vido na Capital Radio, foi a única vez em que o concerto pôde ser ouvido na rádio sem ter nada gravado por cima, já que foram acrescentadas mais tarde edições em estúdio.


Em Outubro de 1986, Brian revelaria que o concerto em Wembley seria retransmitido e que tinha acabado de voltar de Munique onde tinha estado a trabalhar no som do concerto com Mack. A 25 de Outubro, de 1986, foi transmitido no Reino Unido, via TV e Rádio, um programa intitulado Real Magic que continha uma versão editada do concerto, curiosamente tinha um quarto de segundo de atraso de modo a ficar sincronizado com a TV.


A maior parte do concerto passou menos Tear It Up, o solo improvisado, Now I'm Here, Love Of My Life, Baby I Don't Care, Hello Mary Lou, Gimme Some Lovin' e Big Spender. Devido à vontade popular, o concerto foi transmitido outra vez em Janeiro de 1987.

Brian May numa entrevista feita, provavelmente, durante tarde do dia 12 de Julho de 1986 afirmava: "Acho que estamos a funcionar melhor do que estivemos durante anos. Nós gostamos uns dos outros e de tocarmos juntos. É um grande momento para nós. Estamos cheios de energia. As únicas opções são voltar a estúdio depois desta tour ou levar a tour a outro lado, porque sentimos que estamos a 100%." No entanto nenhuma destes cenários se concretizou. Freddie Mercury passaria o ano de 1987 longe da banda, e os frutos do seu trabalho seriam um álbum com Montserrat Caballe intitulado Barcelona. Sem dúvida que a sua saúde, afetava já as suas decisões naquela altura.

Hammer To Fall deste concerto foi oficialmente lançada no álbum Live Magic em Dezembro de 1986 e na cassete Live Rare em 1989.

Uma primeira versão deste concerto, ainda longe da versão final, foi uma VHS de 1990, onde faltam oito temas desta celebre data.


A versão estúdio de Brighton Rock pode ser ouvida enquanto a equipa técnica monta do palco. Foram acrescentadas vozes em pelo menos cinco temas, a saber, One Vision, A Kind Of Magic, Who Wants To Live Forever, Hammer To Fall e We Are The Champions. A versão final do concerto tem ajustes considerados normais nestas situações, nomeadamente na voz e nos instrumentos, no entanto muitas das partes de sintetizador de Spike Edney estão muito mais baixas na versão final em relação ao concerto.

Uma versão de dois CDs foi lançada em 1992, com apenas o tema Tutti Frutti cortado. O concerto completo foi lançado em CD e DVD em 2003. A versão dos EUA inclui músicas da primeira noite e o concerto de Budapeste como bónus. O DVD contém muitos extras, incluindo imagens dos ensaios e cinco músicas da primeira noite em Wembley. Seria novamente lançado em CD e DVD no ano de 2011, com a versão em DVD a conter a primeira noite completa.


As transmissões de rádio e de TV, bem como os lançamentos oficiais, levaram ao aparecimento de dezenas de bootlegs lançadas ao longo dos anos - muitas disfarçadas como outros concertos.


Depois do concerto, com o nome "Dicky Hart and The Pacemakers" por diversão, os Queen e mais algumas estrelas, incluindo Cliff Richard e Samantha Fox, deram um mini-concerto no Kensington Roof Gardens Night Club. Tutti Frutti e Sweet Rock and Roller estão entre as músicas tocadas. Um pequeno vídeo acabou por surgir em diversos documentários, como o bem conhecido The Magic Years.

Samantha Fox relembrou "Eu cantei com o Freddie uma vez numa festa e foi fantástico. Não conseguia acreditar quando ele me puxou a palco. Foi uma festa privada deles em Kensington. Assim que entrávamos no elevador, estavam mulheres nuas pintadas de verde como uma floresta. Eles tinham anões com pequenos tabuleiros de bebidas. Sabia-se que ia ser uma festa brilhante. Os Queen subiram a palco e tocaram durante 1h (a festa em si, durou até às 9 da manhã). Foi maravilhoso. E o Gary Glitter também subiu! Ele perguntou-me que músicas eu sabia. E sabem quando não conseguimos pensar? Eu perguntei-lhe se ele sabia a Touch Me e ele riu-se e perguntou "Que tal Johnny Go?" acabámos por cantar isso juntos. Foi maravilhoso fazer um dueto com o Freddie."

A festa em si, teve 500 convidados, incluindo alguns designers famosos como Calvin Klein e uma ex-colega Zandra Rhodes que tinha feito roupas para os Queen nos anos 70. Uma publicação relembra "Os Queen deram uma festa depois do seu concerto em Wembley em 1986 onde 500 convidados apareceram, incluindo Cliff Richard. O uniforme de cada empregado, homem ou mulher, era body paint. A princípio não se notava que não tinham nada vestido, mas depois olhávamos melhor e percebíamos. O Freddie nessa noite, fez questão de ser visto com Mary Austin a seu lado, o seu namorado Jim Hutton não foi visto naquela noite".


De salientar ainda que hoje, às 22h00, os 35 anos dos míticos concertos dos Queen no Estádio de Wembley, serão celebrados pela M80, com uma emissão muito especial. Rigorosamente a não perder!


Fonte: QueenLive.ca


Este ano passam-se trinta e cinco anos deste a última tour dos Queen com Freddie Mercury...


A Magic Tour, com 26 concertos, teve início em Estocolmo, na Suécia, em Junho de 1986, e terminou com a última actuação ao vivo dos Queen com Freddie Mercury, no Knebworth Park, em Hertfordshire, Inglaterra, a 9 de de Agosto. A digressão levara a banda a outros locais do Reino Unido e também à Suécia, Holanda, França, Bélgica, Alemanha, Suíça, Irlanda, Inglaterra, Áustria e Espanha.


​Esta digressão representou ainda a estreia dos Queen atrás da Cortina de Ferro, no Nepstadion de Budapeste, onde conseguiram o feito de serem a primeira grande banda de rock a tocar num estádio do Bloco de Leste. Os 80 000 bilhetes esgotaram em poucas horas (tal como aconteceu, aliás, com os restantes concertos da Magic Tour).

Para esta tour os Queen tomaram a decisão de não tocar em salas fechadas, mas sim em estádios. Embora isto seja prática comum nos dias de hoje, em 1986 muito poucas bandas chegavam a fazer um só espectáculo num estádio. Apenas uma banda com o êxito dos Queen podia fazer esgotar espaços com estas dimensões. Tinham-no feito na Argentina e no Brasil, e voltariam a fazê-lo. Como disse Freddie, «quanto maior, melhor! Em tudo.» Os bilhetes para os concertos da digressão esgotaram em poucas horas e, ao longo daquele verão, os Queen tocaram para mais de dois milhões de fãs.


Foi nesta tour que os Queen deram dois concertos no Estádio de Wembley, sendo que de início estava apenas agendada uma data para Wembley. Mas quando os bilhetes para o espectáculo de sábado, 12 de Julho, esgotaram em poucas horas, foi acrescentado um segundo concerto na sexta-feira (dia 11). Os Queen tornaram-se, assim, a terceira banda de rock na história da música a tocar em dois dias consecutivos neste estádio.

Queen Live At Wembley Stadium, é uma memória fantástica desta notável digressão dos Queen, e um verdadeiro símbolo da banda que a Rádio M80 irá celebrar.


Na próxima segunda-feira, dia 12 de Julho às 22h00, os 35 anos dos míticos concertos dos Queen no Estádio de Wembley, serão celebrados pela M80, com uma emissão muito especial.


Rigorosamente a não perder!

Obrigado M80!