Nome: Roger Taylor
Data de Nascimento: 26 de Julho de 1949 
Lugar de Nascimento: King's Lynn, Norfolk, Inglaterra
Instrumentos: Bateria, percussão, teclas e vocais.

Apesar de ser conhecido pelo seu poderoso papel nos Queen, Roger Taylor não é muito mais que apenas um baterista confinado ao seu kit. Com rock'n'roll nas veias desde os seus dias de escola, ele foi também uma parte muito importante nos vocais da banda. É também famoso por escrever dois dos marcos da banda, Radio Ga Ga e A Kind Of Magic, e foi também o primeiro a gravar um álbum a solo, o Fun in Space de 1981. Até à data gravou 5 álbuns a solo, que a par do seu trabalho nos Queen, realçaram Taylor como um músico com um forte sentido de identidade, uma perspetiva musical abrangente, e - mas não menos importante- um homem com alguma ironia. Considerem, por instância, a letra da  I’m In Love With My Car, o seu lado B da Bohemian Rhapsody e um favorito do público nos espetáculos de Queen ao vivo.

 

O papel activo de Taylor não está apenas confinado à sua musica: quando o magnata dos media Rupert Murdoch tentou comprar o clube de futebol Manchester United, Taylor financiou as tentativas de bloquear a venda pelos apoiantes do clube, e historicamente ajudou-os a ser bem sucedidos.

A sua história numa das mais famosas bandas de rock começou nos anos 60, na altura em que ele se juntou a Brian May e mais tarde a Freddie Mercury e John Deacon, para formar os Queen. Mas antes disso…

 

Roger Taylor nasceu em Kings Lynn, a 26 de Julho de 1949. Roger começou a ficar fascinado pela música no início dos anos 50 quando a sua família se mudou para Cornwall. Aprendeu a tocar o seu primeiro instrumento, o ukulele, ainda em tenra idade, e teve um pequeno gosto do que estava por vir, numa banda na sua pré adolescência, que apenas sobreviveu a dois espectáculos ao vivo, os dois aparentemente excruciantes.

 

A sua música tomou uma direção diferente quando em 1960, se tornou relutantemente um membro do coro da Truro Cathedral - um pré-requisito para a sua bolsa de estudo. Por volta dessa altura, aprendeu a tocar guitarra, e durante o ano seguinte mudou para a bateria.

 

Em 1966, Roger não se tinha tornado apenas o baterista da banda mais popular de Cornwall, os Reaction, mas tinha-se tornado também no vocalista, com o seu kit de bateria colocado - noutro lugar - na posição principal, ou seja na frente do palco. Nesse ano, os Reaction ganharam um concurso de talento local e segundo os relatos dos jornais locais, foram "cercados por jovens raparigas".

 

Mantendo o seu interesse pela música, Roger decidiu estudar medicina dentária, e em 1967 mudou-se para Londres para entrar no London Hospital Medical College. Mais tarde estudou biologia, obtendo um BSc (Indicadores Balanceados de Desempenho) nessa temática.

 

Em 1968, Roger formou outro grupo, Smile, com o guitarrista de Middlesex Brian May. Os Smile tocaram esporadicamente durante os anos seguintes e chegaram a lançar um single nos Estados Unidos. Em 1971, Roger tinha abandonado qualquer desejo de se tornar um dentista ou biólogo, e com as novas adições ao alinhamento de John Deacon e Freddie Mercury, os Smile ficaram conhecidos como Queen.

 

A lenda dos Queen refere frequentemente como Roger e Freddie eram particularmente chegados e passavam várias horas pela cidade a ver bandas que na altura eram os seus heróis: The Jimi Hendrix Experience, Led Zeppelin, David Bowie, The Who, que os influenciaram e ajudaram a moldar o destino musical dos Queen.

 

Roger começou a escrever temas para os Queen desde o primeiro dia, e cada um dos quinze álbuns de estúdio dos Queen incluem pelo menos uma das suas composições. A historia nota que todos os quatro membros dos Queen escreveram singles que chegaram ao primeiro lugar dos tops: Roger foi responsável, entre outros, por Radio Ga Ga, A Kind Of Magic e These Are The Days Of Our Lives.

1977 foi o ano marcante no qual os Queen lançaram We Are The Campions e We Will Rock You. Roger comprou um Ferrari, e tornou-se o primeiro membro dos Queen a lançar uma carreira a solo com o lançamento do single I Wanna Testify.

 

O seu álbum a solo, Fun in Space seguiu-se em 1981, e foi seguido pelo Strange Frontier de 1984. Ambos os LPs alcançaram o Top 30. Em 1987, Roger formou a sua própria banda, os The Cross, na qual depois de mais de 20 anos retomou o seu lugar como vocalista. Os The Cross lançaram três álbuns  e andaram em digressão extensivamente pelo Reino Unidos e Europa.

 

Depois da trágica morte de Freddie Mercury, Roger regressou à sua carreira a solo com o seu "Happiness?" de 1994, um álbum em que explorou o tema de "lidar com a vida e procurar a felicidade". O sucesso do álbum motivou digressões pelo Reino Unidos e Itália. Depois foi lançado o seu álbum mais potente, Electric Fire, que mostrou claramente Roger como um letrita bastante observador. Rico em reflecções contemporâneas sobre a vida, o álbum é recheado de músicas que chamam à atenção através da provocação do pensamento e assuntos problemáticos - obsolescência nacional, violência doméstica, e pobreza, entre outros. O tema, People On Streets, foi inspirado pelas visitas que Roger fez à India e pela desigualdade que testemunhou na sua vasta população. Nunca contendo a sua expressão, várias figuras ricas e poderosas do mundo receberam uma chamada de atenção neste tema.

 

O sucesso do musical dos Queen foi uma surpresa, tendo em conta que Roger expressou abertamente que "Os musicais são algo fora do meu campo. É um género de que não gosto particularmente." Mas depois de trabalhar de perto com o Brian e com o escritor Bem Elton na criação do musical, Roger viu-se intimamente empenhado no desenvolvimento do espectáculo, quebrando as regras do teatro musical e tomando o papel - juntamente com Brian - de supervisor musical, não apenas da primeira produção em Londres, mas também de cada uma das produções subsequentes por todo o mundo.

 

Ao mesmo tempo que trabalhavam no We Will Rock You, Roger e Brian tiveram um papel central na formação da obra de caridade Nelson Mandela 46664, tocando nos dois primeiros concertos na África do Sul e providenciando algumas musicas inéditas para o álbum 46664, onde colaboraram com artistas como Bono, Anastacia, Dave Stewart e Beyonce. Roger escreveu dois novos temas para o projeto, Say It's Not True, um tema sobre descobrir que se é HIV positivo, e Invincible Hope, baseado em textos de Mandela e que inclui a voz de Mandela a ler frases da sua autobiografia.

Em 2005, depois de um encontro acidental com o antigo vocalista dos Free, Paul Rodgers, Roger e Brian sentiram que era a altura perfeita para que os Queen voltassem à estrada. Anunciados como Queen + Paul Rodgers, Roger e Brian testaram a atmosfera com algumas datas na Europa escolhidas a dedo, passando inclusivamente por Portugal. Tal foi a antecipação criada em redor da digressão de seis semanas pela Europa, que uma digressão pelos EUA foi marcada em seguida, marcando o regresso de Roger e Brian para tocar nos EUA depois de mais 20 anos. O impacto do regresso às estradas foi resumido numa review da noite de encerramento em Vancouver: "A noite em que o rock de arena oficialmente regressou".

 

 Roger regressou à sua carreia a solo, em finais de 2009 com o lançamento do single The Unblinking Eye. Um novo álbum a solo emergiu em 2013, o aclamado pela crítica Fun On Earth sendo foi também lançado um conjunto intitulado The Lot que incluiu todo o material a solo de Roger e também o seu trabalho com os The Cross. Entre 2017 e 2020 Roger lançou três singles: Journey's End lançado em 2017; Gangsters Are Running This World, lançado dois anos mais tarde e finalmente, em 2020, durante a pandemia, foi lançado o single Isolation

Roger é responsável por supervisionar e produzir os The Queen Extravaganza, a banda de tributo oficial dos Queen. Os The Queen Extravaganza proporcionam um concerto, espetacularmente desenhado, para mostrar a música e a energia de palco dos Queen e levá-los a novas gerações de fãs.

O baterista dos Queen tem também a sua própria marca de roupa, a Taylored.

www.rogertaylorofficial.com

 

SOBRE NÓS:

O Homem, por si só, não consegue viver isolado. Os seres humanos precisam de comunicar, expressar… precisam que a sociedade lhes garanta uma estrutura onde ele se revejam. As comunidades são importantes porque acolhem, protegem e permitem a partilha. São micronações reguladas de forma endógena pelo interesse no bem comum e o Queen Portugal é tudo isto sendo que o nosso bem comum são a melhor banda de rock de todos os tempos: os Queen.

© QUEEN PORTUGAL
2011 - 2021