BLITZ: A música dos Queen pode valer mais de mil milhões de dólares



A revista Blitz publicou ontem um artigo sobre quanto pode valer a música dos nossos rapazes. Por toda a importância que acreditamos ter o artigo, passamos a publica-lo na íntegra.


Com o sucesso do filme "Bohemian Rhapsody" e dezenas de milhões de ouvintes anuais nas plataformas de streaming, os Queen continuam a amealhar muito dinheiro em direitos de autor. E se quiserem vendê-los, a soma é astronómica.


O catálogo musical dos Queen pode valer, neste momento, acima de mil milhões de dólares (mais de 800 milhões de euros), segundo a publicação especializada Music Business Worldwide. A banda está ainda a colher dividendos do sucesso do filme biográfico "Bohemian Rhapsody", de 2018, que fez com que a banda amealhasse mais de 100 milhões de dólares só em direitos de autor nos últimos três anos.


Se a banda quisesse vender o seu catálogo ao fundo Hipnosis, que adquiriu recentemente metade dos direitos da música de Neil Young e a totalidade dos direitos dos Red Hot Chili Peppers e Shakira, fá-lo-ia multiplicando a quantia que recebe anualmente (a média dos últimos três anos é de 62 milhões de dólares) por 18, o que daria, portanto, mais de mil milhões de dólares.


Os dados foram fornecidos pela Queen Productions Ltd, empresa que coleta aquilo que a banda fatura anualmente e que é detida em iguais partes pelos três elementos fundadores ainda vivos, Brian May, Roger Taylor e John Deacon, e os herdeiros de Freddie Mercury.


Além do sucesso de "Bohemian Rhapsody", que incluía na banda sonora alguns dos maiores clássicos dos Queen, a banda britânica é também um caso sério de sucesso nas plataformas de streaming. No Spotify, são o 38º artista mais ouvido, com mais de 37 milhões de ouvintes mensais, colocando-os à frente de Beyoncé, Kanye West ou Beatles.



Fonte: BLITZ