Queen The Greatest | EP 27: "Ay Oh!"


(fotografia de Neal Preston)


Queen The Greatest: uma celebração de 50 dos maiores momentos da história dos Queen até agora. Uma série de 50 semanas no YouTube que celebra os momentos-chave da história dos Queen lembrando-nos o porquê da banda E da sua música continuarem a ser amadas em todo o mundo.


"Essa é a parte do meu papel , tenho que os conquistar, de outra forma não será um concerto bem sucedido. O meu trabalho é garantir que os conquisto e que se sintam que se divertiram." Freddie Mercury

Clique aqui para encomendar uma t-shirt "AY OH!".


Toda a receita líquida da venda de t-shirt será doada à Mercury Pheonix Trust - luta contra a Sida pelo mundo.


***

A celebração da evolução de Freddie Mercury até ao derradeiro showman. Desde o início Freddie compreendia a importância de conquistar o público e durante os anos que se seguiram tornou-se no mestre absoluto, culminando num dos mais icónicos momentos na história da música no Live Aid em 1985.


Este simples cântico improvisado de chamada e resposta, acredita-se ter começado em 1978 no concerto em Montreal e fez o seu caminho pela história para se tornar num dos pontos altos da histórica performance dos Queen no Live Aid em 1985... Já para não falar do seu lugar num filme de muito sucesso.


Tema dos seus próprios quadros de discussão online, páginas de interpretação de letras e motores de busca, gifs e toques de chamada... É instantaneamente reconhecível... Ay-Oh.


Esta semana o lendário chamamento do público de Freddie Mercury tem o seu próprio episódio no Queen The Greatest, a série mensal dos Queen no YouTube, focando-se no que se tornou num dos mais icónicos momentos de participação do público a emergir da ilustre carreira dos Queen ao vivo.


Desde os primórdios dos Queen, Freddie compreendeu a importância que o seu papel como frontman da banda tinha em conquistar a audiência.


Freddie Mercury: “Essa é a parte do meu papel, tenho que os conquistar, de outra forma não será um concerto bem sucedido. O meu trabalho é garantir que os conquisto e que se sintam que se divertiram.


Sou bastante frívolo e gosto de me divertir Então que maneira melhor do que fazê-lo em palco em frente de 300.000 pessoas. Eu simplesmente solto-me em palco, é apenas a minha natureza. Não é assim que sou na vida real, o meu carácter é constituído por todo tipo de ingredientes e este é um dos elementos de mim.


No palco esse é o meu trabalho e não gosto de subir ao palco, sentar-me num banco e dar um concerto. Sou muito volátil dessa forma e gosto de transmitir a música da maneira como é. É tudo parte do show business e teatro, esse é outro dos meus lados."


Tão importante como a maneira como ele escutava as músicas, era facto de Freddie saber que a sua interação com o público ajudava a criar um momento que era especial para cada audiência.


Freddie Mercury: "Gostam das minhas garras? São diamantes verdadeiros. São um presente do próprio diabo. Vocês não acreditam em mim? Eles não acreditam em mim!"


Durante os anos 70 e até o início dos anos 80, enquanto que as salas e os públicos se tornavam maiores e maiores, Freddie tornou-se um mestre em fazer com que todos se sentissem parte do concerto, como é testemunhado no clipe do concerto da banda no Milton Keynes Bowl em 1982.


E mais tarde, em 1985, naquela monumental performance no Live Aid que se tornou num dos momentos mais memoráveis da história da música.


Incluídos durante a Magic Tour de 1986, os Ay-Oh’s de Freddie tornaram-se uma parte essencial do concerto dos Queen, algo que continua até os dias de hoje. Em Fevereiro de 2020 quando os Queen e Adam Lambert recriaram o Live Aid de forma a ajudar ao combate às chamas na Austrália, foi a participação especial de Freddie nos ecrãs que criou um dos momentos mais mágicos do concerto, como provam as gravações desse evento. Um lembrete de como o Freddie era realmente o derradeiro showman e continua a sê-lo.


Próxima semana- Love Of My Life



Fonte: Queen Online