Queen The Greatest | EP 34: The Magic Tour (Parte 2)


(Fotografia de Denis O'Regan. © Queen Productions Ltd)


Queen The Greatest: uma celebração de 50 dos maiores momentos da história dos Queen até agora.


Uma série de 50 semanas no YouTube que celebra os momentos-chave da história dos Queen lembrando-nos o porquê da banda e da sua música continuarem a ser amadas em todo o mundo.


Neste episódio continua-se o olhar sobre para a Magic Tour, a digressão dos Queen que quebrou recordes. À medida que a digressão atinge o seu clímax, e apenas a poucas semanas uns dos outros, os Queen deram três dos seus concertos mais memoráveis e icónicos.

Brian May: "Sempre acreditámos que tínhamos algo de especial, e que podíamos fazer alguma coisa que mais ninguém fez. Este é o tipo de coisa, este é o tipo de crença que nos ajudou a continuar no início. Mas acho que não acreditávamos no que iria acontecer. Acho que nem sequer sabíamos o que era possível."


Jim Beach (Manager): "Penso que, de uma forma ou de outra, a música continuará sempre agora, penso que atingiram aquele estatuto em que a sua música será recordada. Quanto tempo mais vão gravar… só os deus sabem. Ninguém sabe se Mick Jagger irá cantar quando tiver 65 anos, ou se os Queen atuarão como Queen. Creio que a estrutura dos Queen vai continuar, e continuarão a fazer música."


O Queen The Greatest regressa esta semana com o segundo capítulo da retrospetiva da sensacional e revolucionária Magic Tour de 1986.


Tendo já tido 14 espectáculos esgotados em todo o Reino Unido e Europa, estabelecendo alguns marcos pelo caminho, os Queen regressavam a Londres em Julho de 1986 para tocar duas noites no Estádio de Wembley, com 72.000 lugares - o local da sua extraordinária e histórica actuação no Live Aid no ano anterior.


No entanto, apesar de a banda ter atingido uma popularidade sem precedentes, não era garantido que os seus primeiros espectáculos em casa desde que o Live Aid esgotassem...


Brian May: "Estivemos fora muito tempo e os bilhetes para Wembley vão estar à venda na sexta-feira. E é sempre um momento em que nos questionamos: ‘O que se estará a passar há lá fora? Será que ainda nos querem ver?’ Nunca se sabe. E só saberemos quando os pedidos começarem a chegar."


Os cerca de 150.000 bilhetes à venda esgotaram-se numa questão de horas, e essas noites memoráveis foram filmadas continuando a ser dos espetáculos ao vivo dos Queen mais adorados hoje.


Roger Taylor: "Penso que Wembley foi um espectáculo difícil, devido à sua verdadeira dimensão física. É melhor ir bem lá abaixo, não querer um público tranquilo. Já vi pessoas morrerem lá, porque não se consegue ouvi-las. Se for um murmúrio, um murmúrio não entra no ouvido. Por isso, é preciso um rugido. Chamam-lhe o Rugido de Wembley não é? E foi bom para nós. Sabíamos que íamos ter um trabalho árduo em Wembley."


Depois, quando os Queen voltaram à estrada, tinham uma nova aventura à espera.


Entrevistador: "Creio que só há um país onde nunca estiveram antes."


Roger Taylor: "Isso é a Hungria. Sim. Budapeste."


Entrevistador: "Então este é um terreno novo?


Roger Taylor: "É óptimo, sim. Estamos muito entusiasmados com isso. Vão pessoas de todos os cantos bloco da Cortina de Ferro. Estão a vender bilhetes em...ou seja lá o que for que façam. Eles vendem bilhetes?"


Entrevistador: "Presumo que sim?"


Roger Taylor: "Ou oferecem-nos? Não sei, não sei. Façam o que fizerem, as pessoas vêm da Polónia e da Checoslováquia, e muitas do Bloco de Leste, o que é muito excitante. "Porque os russos nunca nos deixariam entrar."


Freddie Mercury: "Gosto de atuar em lugares onde nunca estivemos, para ver como vão reagir. Porque em alguns lugares onde já estivemos antes, temos uma certa ideia de como… do que vão fazer. Mas isto vai ser óptimo. Vai ser óptimo ver se eles fazem as mesmas coisas, se viram os filmes e se vão fazer as mesmas coisas para a Rádio Ga Ga e coisas assim. Isso deve ser muito interessante, um bom desafio."


Fazendo história como os primeiros artistas a actuar atrás da Cortina de Ferro, o espectáculo da banda a 27 de Julho seria apresentado a uma audiência de mais de 80.000 pessoas. Filmado utilizando quase todas as câmaras de televisão disponíveis de 35m no país, o concerto continuaria a fazer história ao ser transmitido no final do ano através do Bloco Comunista, incluindo a Checoslováquia, Alemanha Oriental e Jugoslávia, bem como ao ser exibido em 59 cinemas húngaros no Dia de Ano Novo de 1987.


Encerrando com apenas datas a serem tocadas em França e Espanha, a grande procura no Reino Unido levou os promotores a acrescentar rapidamente um último grande espectáculo à programação - no famoso Knebworth Park, onde a banda terminaria a sua digressão com um espectáculo ao ar livre perante uma audiência variadamente estimada entre 160.000 e 200.000 espectadores. Desde o início da digressão, 7 de Junho, os Queen acabariam por tocar para uma fracção superior a um milhão de pessoas.


Brian May: "Sempre acreditámos que tínhamos algo de especial, e que podíamos fazer alguma coisa que mais ninguém fez. Este é o tipo de coisa, este é o tipo de crença que nos ajudou a continuar no início. Mas acho que não acreditávamos no que iria acontecer. Acho que nem sequer sabíamos o que era possível."


Freddie Mercury: "Somos o único tipo de… as quatro Grandes Senhoras que se mantiveram unidas."


John Deacon: "Sim, perguntas-te quanto tempo vai durar, e já o fazemos há muito tempo, e eu não sei. Se pudesse prever o futuro, a vida seria muito aborrecida, penso eu."


No encerramento do concerto da banda a 9 de Agosto de 1986, Knebworth, Freddie agradeceu à multidão dizendo: "Obrigado, pessoas encantadoras, têm sido um público maravilhoso. Deus vos abençoe. Que Deus vos abençoe, boa noite, obrigado."


Ainda ninguém sabia disto, mas esta seria a última actuação pública de sempre dos Queen com Freddie.



Fonte: Queen Online