Queen The Greatest | EP 40: Queen: 1992 - The Freddie Mercury Tribute Concert


(fotografia de: de Neal Preston)


Queen The Greatest: uma celebração de 50 dos maiores momentos da história dos Queen até agora.


Uma série de 50 semanas no YouTube que celebra os momentos-chave da história dos Queen lembrando-nos o porquê da banda e da sua música continuarem a ser amadas em todo o mundo.

Determinados a dar ao seu melhor amigo a "maior despedida da história", Roger, Brian, John e o manager Jim Beach preparam um concerto de celebração que se tornaria numa das noites mais memoráveis da história da música.


"Roger deu o pontapé de partida, Roger levantou-se uma manhã e disse: 'Olha, estamos a fazer isto bem' e fez alguns telefonemas". Brian May


"E Brian disse: 'Bem, se conseguirem isso, eu vou, eu vou'". Roger Taylor


"Fui a primeira pessoa a cantar com os Queen depois da morte de Fred. Fazendo-o no palco em frente de 80.000 pessoas e milhões de pessoas na televisão. Meu Deus". Joe Elliott


Recordando um evento que não foi apenas um dos maiores e mais importantes na história dos Queen, mas também em toda a história do rock, o episódio desta semana do Queen The Greatest revisita The Freddie Mercury Tribute Concert de 20 de abril de 1992.


Neste episódio podem ver Roger e Brian a refletirem sobre a organização desse dia histórico, a que se juntaram Taylor Hawkins e Joe Elliott, este último recordou a sua aparição em palco perante 80.000 pessoas e também ao vivo na rádio e televisão diante um mais de um milhão de pessoas em 76 países de todo o mundo.


A esmagadora efusão de amor que se seguiu ao trágico desaparecimento de Freddie convenceu Roger, Brian, John e o manager Jim Beach, de que era necessário haver algum tipo de evento para celebrar a vida e os feitos do seu melhor amigo.


A ideia do concerto foi concebida na noite em que Freddie perdeu a sua luta pela vida. Brian, Roger e John reuniram-se na casa de Roger e decidiram organizar uma espécie de homenagem a Freddie, cuja projeto iria tomar forma nos próximos meses, com o concerto formalmente anunciado a 12 de fevereiro na cerimónia de entrega dos Prémios BRIT, onde Roger e Brian receberam um prémio em nome dos Queen pela sua Contribuição Excepcional para a Música.


Roger Taylor: "Elaborámos uma lista de pessoas que gostaríamos que estivessem no concerto".


Brian May: "O Roger deu o pontapé de partida, o Roger levantou-se uma manhã e disse: 'Olha, estamos a fazer isto bem' e fez alguns telefonemas".


Roger Taylor: "E Brian disse: 'Bem, se conseguirem isso, eu vou, eu vou'".


Todos os artistas que abordaram aceitaram o seu convite para atuar a seu lado no Estádio de Wembley em Londres, um verdadeiro "quem é quem do rock e do pop", prestando homenagem a Freddie.


Brian May: "De repente, estamos a atuar com David Bowie e Robert Plant. Olhamos à nossa volta e quem é este, Tony Iommi está ao meu lado, que é um amigo para toda a vida, os artistas mais espantosos das nossas vidas".


Joe Elliott: "Fui a primeira pessoa a cantar com os Queen depois da morte de Fred. Fazendo-o em palco diante de 80.000 pessoas e milhões de pessoas na televisão. Meu Deus".


Joe Elliott: "Nunca se pensaria que seria possível conseguir que uma pessoa ficasse no lugar do Fred porque não há maneira de eu poder ter feito outra coisa que não seja, digamos, ‘coisas de rock’. Com o Freddie Mercury Tribute Show, foram necessárias 20 personagens para poder chegar quase aos seus calcanhares".


Brian May: "A tarefa de encontrar uma pessoa que pudesse fazer tudo o que Freddie pudesse fazer, teria sido praticamente impossível. Toda a gama de canções dos Queen é considerável. É um catálogo muito, muito colorido, com todo o tipo de abordagens vocais diferentes necessárias".


Roger Taylor: "Trouxe para casa o facto de Freddie ser tão incrivelmente talentoso a tantos níveis e como era difícil para qualquer pessoa cobrir tanto terreno como Freddie cobriu".


Taylor Hawkins: "Acho que ninguém pensou que eles iam aparecer e ser o próximo Freddie Mercury. Não é fácil".


O espectáculo estava repleto de inúmeros e extraordinários momentos que continuam a viver na memória de muitos - mas igualmente memorável é a mensagem da consciência da luta contra a SIDA que a partir daquele momento se tornou inextricavelmente ligada ao nome de Freddie.


Roger Taylor: "Obviamente, perder Freddie aproximo-nos desta causa. De uma maneira geral. E muitas outras pessoas que conheço, quero dizer, à medida que o tempo passa, torna-se mais, mais uma ameaça e a ameaça está a crescer, penso eu. Acho que a consciência não está a crescer. Portanto, este parece ser, especialmente para nós, um bom momento para fazer isto".


À medida que a noite emocionante, mas triunfante, se aproximava do fim, todos os observadores esperavam que esta não fosse a última vez que veriam e ouviriam falar dos Queen.


Brian May: "Está feito. E Joe Elliott estava ao meu lado quando saímos e ele agarrou-me no braço e disse: 'Brian, olha para aquilo'".


Joe Elliott: "Eu disse: 'Tens de ficar aqui e olhar para isto porque nunca, nunca mais verás isto de novo. Se isto é o fim, que grande forma de terminar".


Brian May: "E pela primeira vez, olhei para fora e pensei: 'Ah, que maravilha' esta quantidade de amor aqui demostrada para o nosso amigo".


Roger Taylor: "Boa noite, Freddie. Nós amamos-te".


Brian May: "De certa forma, o concerto é bastante importante para nós porque é também a nossa forma de nos despedirmos do Freddie. E penso que precisávamos de fazer isso antes que as nossas mentes podessem realmente seguir em frente. É algo que tínhamos na nossa mente, desde o momento em que ele morreu. E é muito difícil pensar depois disso, não é?


Roger Taylor: “É verdade. Sim.


Brian May: "É a única coisa em que me consigo concentrar neste momento é nesse dia. Quando terminar, temos quase que um novo mundo à nossa espera.


Graças à Mercury Phoenix Trust, a luta contra a SIDA faz parte do legado eterno de Freddie, e como a série de Queen The Greatest continua, veremos como isto não foi o fim para os Queen ou para a sua música, mas de facto o início de um novo e emocionante capítulo.


Liza Minnelli: "Obrigada, Freddie. Só queríamos dizer-te que estávamos a pensar em si. Fica a salvo"!


Após o Concerto de Homenagem em 1992, Brian May, Roger Taylor e Jim Beach criaram a Mercury Phoenix Trust (MPT) em memória de Freddie Mercury, após a sua morte por HIV/SIDA em 1991. A Trust é uma parte central do legado dos Queen e do Freddie, com a paixão e o poder por detrás da música a formar a base da MPT.


A MPT atingiu milhões na luta contra o VIH/SIDA em todo o mundo até à data, fornecendo mais de 17 milhões de libras a mais de 1.500 projetos em 57 países. A MPT financia predominantemente organizações mais pequenas que avalia e apoia, uma vez que estas trabalham efetivamente um nível mais baixo, onde os governos, as ONG de maior dimensão e os mercados muitas vezes não chegam.


Para saber mais e ajudar: http://www.mercuryphoenixtrust.com


Na próxima semana: Queen: 1996 - Made In Heaven



Fonte: Queen Online