Queen The Greatest | EP 47: Brian May no Telhado


(Fotografia de: Arthur Edwards)


Queen The Greatest: uma celebração de 50 dos maiores momentos da história dos Queen até agora.


Uma série de 50 semanas no YouTube que celebra os momentos-chave da história dos Queen lembrando-nos o porquê da banda e da sua música continuarem a ser amadas em todo o mundo.


Brian May: "... depois pensei: 'Oh Deus, agora tenho de o fazer!' A enormidade do que eu sugeri caiu em mim e eu pensei, 'Oh meu Deus, conseguirei mesmo fazer isto?'"

Brian May relembra o momento em que um pedido incomum do Palácio de Buckingham se transformou num dos pontos mais emblemáticos da história da música.


Um convite em 2002 para comparecer no Palácio de Buckingham para celebrar o Jubileu de Ouro da Rainha Elizabeth II daria a Brian May uma oportunidade única de realizar uma das apresentações ao vivo mais icônicas e memoráveis ​​da história do rock.


O Queen The Greatest desta semana apresenta um momento extraordinário em que vimos - Brian no Telhado.


Numa nova entrevista, Brian fala sobre o momento em que apareceu no telhado da residência principal de Sua Majestade a tocar um solo de guitarra para milhões pessoas em todo o mundo. Isso sem falar que estava a tocá-lo diante de alguns dos maiores nomes da música.


Em 1975, o arranjo de Brian May para o Hino Nacional Britânico, God Save The Queen, apareceu como faixa de encerramento do álbum A Night At The Opera. Desde então, cada espetáculo dos Queen terminava com uma gravação da faixa.


No entanto, a banda nunca tinha executado ao peça ao vivo, até surgir uma oportunidade de o fazer 27 anos depois.


Em 2002, para assinalar o Jubileu de Ouro da Rainha Elizabeth, Roger e Brian foram convidados a atuar num concerto especial como parte de uma alinhamento recheado da realeza do Rock and Roll, e os organizadores também fizeram um pedido especial para o número de abertura…


Brian May: "Originalmente, perguntaram-me: pode vir tocar uma versão de God Save The Queen, a deambular pelos salões nobres do Palácio de Buckingham e ao estilo de Jimi Hendrix? Mas havia algumas coisas naquilo com as quais não me senti confortável. Quero dizer, tentar ser o Jimi Hendrix é uma delas. (...) E depois tive esta ideia. Lembro-me de acordar no dia seguinte com a ideia. E pensei que onde tenho de estar não é a deambular pelos salões do Palácio Buckingham, mas no topo. Tenho de estar no telhado. Tenho de ser o gaiteiro solitário que tem estado lá em cima nos últimos 50 anos, com vento e chuva. O veterano grisalho que ainda toca. Então telefonei-lhes a sugerir, e eles responderam: Tudo bem, Ok. (...) Esse foi o momento que ficou na minha memória, porque depois pensei 'Oh Deus, agora tenho de o fazer!' A enormidade do que eu sugeri caiu em mim e eu pensei, 'Oh meu Deus, conseguirei mesmo fazer isto?"


Além da perspectiva de enfrentar uma audiência de televisão composta por cerca de 200 milhões de pessoas, a logística não implicava só ter de tocar nas alturas do telhado do Palácio de Buckingham, a atuação tinha de estar sincronizada com uma orquestra que se encontrava a 25 metros abaixo, no palco montado nos jardins do Palácio. Esta atuação única apresentou alguns desafios verdadeiramente assustadores.


Brian May: "Claro, subimos lá acima, no dia, e nada funcionava, não conseguia ter um feed da orquestra. Não conseguia ver o Michael Kamen, que estava na direcção, porque a pequena televisão que lá colocaram tinha muito brilho e não conseguia ver porque havia muita luz do dia, etc., etc. Nada funcionava. Exceto os meus amplificadores e eu, porque o Pete (técnico de guitarra) tinha feito um ótimo trabalho. (...) Eu tinha aqueles três AC-30 à minha frente. Tinha um som colossal, enorme lá em cima. E depois, finalmente, apenas algumas horas antes de eu ir lá para cima, conseguimos obter o feed da orquestra. Portanto, tinha uns altifalantes grandes com a orquestra de um lado. E os grandes altifalantes dos meus amplificadores do outro lado. Foi uma sensação incrível, devo dizer, o momento mais incrível e estimulante. Mas claro, assustador. E a combinação daquilo foi simplesmente eletrizante. Lembro-me de pensar, que se isto funcionar e eu conseguir, nunca mais terei medo."


O concerto de celebração do Jubileu de Ouro é considerado por muitos como o maior espetáculo na Grã-Bretanha desde o Live Aid e a coleção mais impressionante de músicos de todos os tempos num único palco com Paul McCartney, Elton John, Eric Clapton, Rod Stewart, Annie Lennox, Joe Cocker, Ray Davies, Bryan Adams, Brian Wilson, Steve Winwood e, claro, os Queen, entre eles.


Próxima semana: Queen nos Filmes - Take 3: Bohemian Rhapsody



Fonte: Queen Online