top of page

Queen The Greatest Live | EP 13: Roupa de Palco


'Queen The Greatest Live' – A série The Greatest regressa com uma celebração de um ano dos Queen ao vivo.


Eis a nova série dos Queen - Queen The Greatest Live - que durante 50 semanas irá entrar nos bastidores para revelar o que é necessário para criar um espectáculo da banda. A série irá incluir momentos de performances icónicas dos Queen e, acima de tudo, demonstrar a razão pela qual são considerados o derradeiro espetáculo ao vivo.


Numa entrevista exclusiva com Brian May e Roger Taylor, descobrimos a lógica por detrás de alguns dos seus mais icónicos fatos de palco. E não será uma surpresa para ninguém, descobrir qual dos membros da banda era mais dedicado à escolha das roupas de palco.


"Nós não somos tipo Glam, mas somos, suponho… Sim, talvez sejamos Glam, mas acima de tudo somos dramáticos, é essa a ideia." - Brian May


"Freddie, às vezes não nos dizia… quer dizer, quando ele apareceu pela primeira vez com o fato de ballet, acho que ele se parecia um pouco com o Kermit, e com as sapatilhas de ballet também. Quer dizer, ficámos completamente cativados." - Roger Taylor.


Enquanto o Queen The Greatest Live continua a sua viagem de exploração do que torna os concertos dos Queen numa enorme experiência impar, e tendo já estudado os ensaios, números de abertura e iluminação, o episódio desta semana vira as suas atenções para a memorável roupa de palco dos Queen.


Em novas e exclusivas entrevistas com Brian May e Roger Taylor, o criador e director das series QTG, Simon Lupton aprende com ambos a história por trás de algumas das roupas de palco mais icónicas da banda. Incluíndo a que não agradou muito a Roger Taylor e a reação inicial de Brian aos famosos calções vermelhos com lantejolas de Freddie.


E claro, não é surpresa nenhuma qual dos membros dos Queen era a força motora de muitas das escolhas de guarda-roupa.


Brian May: "As roupas são uma parte do espectáculo, e ninguém tinha mais noção disso do que o Freddie. Ele foi realmente pioneiro em muitas coisas e nós viemos de uma era que era chamada de Glam, onde as pessoas em grupos de Rock perceberam que se poderiam vestir e parecer bem e causar boa impressão. Mas era muitas vezes um pouco aleatório."


"E o que tentámos fazer foi, penso eu, trazer tradições da opera e de outras formas de arte e fazer fatos que falassem por nós, fazer deles parte da história que estávamos a contar. Então o Freddie, com as suas pequenas asas nos seus fatos e as suas coroas e parafernálias, também coisas pretas e brancas, que começámos a usar, e é tudo pensado para ser dramático. É pensado para acentuar os nossos movimentos e acentuar o estado de espírito do tema.


"Tivemos sorte suficiente por poder trabalhar com alguns designers espetaculares. Zandra Rhodes foi a primeira com que trabalhámos, e nós tínhamos tido muito esforços dramáticos que foram muito úteis para nós porque ficámos conscientes da nossa corporalidade em palco, fizeram-nos falar com o nosso corpo bem como com as nossas mãos e vozes."


Roger Taylor: "No começo, há muitos anos, havia esta grande coisa, sabes, que nós queríamos que a Zandra Rhodes fizesse tudo. Bem, ela fez-me um fato. Eu vesti-o uma vez. Era muito quente, eu nunca o voltei a usar. Não era nada prático."


"Eu não gosto muito da palavra 'fato' (no sentido de disfarce) porque com essa palavra penso em crianças, ou penso em pantomina ou, sabes, e isto não são 'disfarces', isto é suposto ser Rock 'n' Roll. Então realmente eu não tenho fatos. E também, sendo uma bateria, faz suar muito. Precisas de algo em que te possas mover e que não te atrapalhe de maneira nenhuma."


"Então eu deixo para … Eu deixo para as pessoas que estão na frente de palco, quem quer que sejam, para andarem de um lado para o outro com os seus fatos com folhos."


Para Freddie, era um aspeto do espectáculo ao vivo em que ele se revelava, e ele gostava particularmente de surpreender os seus companheiros de banda, tanto como gostava de arrebatar os seus fãs.


Roger Taylor: "Freddie, às vezes não nos dizia… quer dizer, quando ele apareceu pela primeira vez com o fato de ballet, acho que ele se parecia um pouco com o Kermit, e com as sapatilhas de ballet também. Quer dizer, ficámos completamente cativados. Poderia ter dado para o torto. Sabes, podiamos ter dito 'não sejas tão ridículo', mas porque era o Fred, dizíamos 'Sim, vamos lá. Isso é brilhante.' Sabes, porque não?


"E se tiveres a coragem para… e vamos encará-lo, nós vamos ser capazes de o ver, e por isso podes safar-te com isso. Sim, vamos. Quer dizer, era um bom ponto de discussão. Lembro-me da cara de vários músicos, com os queixos a cair de surpresa porque este rapaz podia entrar, e eles poderiam tocar algum puro Rock 'n' Roll, sabes?"


Brian May: "Acho que o Freddie preferia chocar-nos. Eu lembro-me dele aparecer com aqueles calções vermelhos com lantejoulas. Alguns esforços muito grandes e dizíamos 'A sério Freddie?' e ele 'Querido? Isto é o que eu faço.' Sim ele era bastante escandaloso. E gostava de nos chocar a todos – aqueles catsuits e tudo."


"Mas era tudo fabuloso. Sabes ele aproveitou tantas oportunidades, fez o Freddie. E eu penso, porque fisicamente ele também estava em boa forma, ele conseguia continuar com isso. E muitas pessoas iriam parecer ridículas naqueles tipos de Leotardo e assim. Mas ele parecia o Nijinsky ou assim, porque ele estava fisicamente nesse ponto."


Essencialmente, a roupa de palco dos Queen não era simplesmente para chocar ou escandalizar, mas em vez disso era outra, bem trabalhada, parte integral da experiência do público.


Brian May: "Acho que conseguires o melhor de ti em palco, é uma experiência que envolve todo o teu corpo e torna-se em algo muito instintivo depois de algum tempo. É algo sobre o qual és consciente durante um bocado, as roupas e tudo e os movimentos, mas depois torna-se uma parte do que tu és. E instintivamente fazes aquilo e instintivamente sabes que estás a usar a roupa errada, apenas sentes que está errado. Então vais em busca de coisas boas e temos excelentes pessoas com que podemos interagir e que vão dizer, 'já experimentaste isto?'. Então não é bem Glam, mas nós somos, suponho…. Sim, talvez sejamos Glam, mas acima de tudo somos dramáticos, é essa a ideia."



Proxima Semana: Queen The Greatest Live | EP 14: Ogre Battle




bottom of page