top of page

Press Release: 'Machines (Or Back To Humans)' lançado como single digital


Queen

"When the machines take over. It ain’t no place for rock and roll” 'MACHINES' (OR BACK TO HUMANS


O arrebatador tema de abertura da The Rhapsody Tour foi lançado, a 10 de novembro, como um novo single digital dos Queen, e já se encontra disponível em todos os principais canais de música digital


Uma combinação emocionante de som e imagem, que foi apelidada de "uma lição de mestre" pelo jornal USA Today, no recém espetáculo 'Rhapsody' dos Queen e Adam Lambert começa com a sonoridade industrial e as harmonias vocais de Machines (or Back To Humans) - uma nova versão do tema de culto, que abre o segundo lado do álbum The Works de 1984.


Enquanto o espetáculo imersivo leva o público para um mundo distópico de engrenagens giratórias e pistões sibilantes, um batalhão de robôs CGI marcham através dos ecrãs de vídeo gigantes ao som de Machines e olham para o público com olhos de fogo implacáveis - apenas para serem derrotados com a ajuda de um vocal virtual de Freddie.


A banda lança-se então numa Radio Ga Ga infundida de tecnologia, mas altamente humana, que dá início a uma montanha-russa de mais de duas horas pelo histórico catálogo da banda.


Na abertura da nova produção de "Rhapsody", o público ouve os vocais de Freddie Mercury e Brian May em dueto por trás, dando o alarme (originalmente em 1984!) de que as máquinas estão prestes a assumir o controlo. Em contraponto, as vozes robóticas são fornecidas pelos vocais de Roger Taylor, que defendem o ponto de vista das Máquinas. O tema deste conflito volta a aparecer em várias ocasiões durante o alinhamento do concerto.


Brian May, coautor (com Roger Taylor) da canção Machines e defensor do novo tema, afirma: "A Horda de Robôs fornece um fio narrativo ao nosso novo espetáculo. Nestes dias em que a Inteligência Artificial começa a invadir toda a nossa vida, estes tipos mecânicos personificam a Insurgência Robótica. No nosso espetáculo atual, ainda em desenvolvimento, ‘Back to Humans’ - é a banda sonora para nós, humanos, recuperarmos o nosso controlo. Na verdade, ‘Machines’ e ‘Radio Ga Ga’ têm um antepassado comum, o início de uma colaboração entre mim e o Roger nas sessões para o álbum Works em 1984. Mas tínhamos ideias diferentes sobre a forma como a música se deveria desenvolver e a faixa dividiu-se em duas canções que seguiam direções opostas... O Roger a conduzir Radio Gaga até à sua conclusão e a transformá-la num êxito mundial, e eu a seguir o caminho de transformar ‘Machines’ numa espécie de batalha interminável. Ao montar o novo espetáculo, apercebi-me que ‘Machines’ era mais relevante do que nunca. Por isso, surgiu a ideia de tematizar o espetáculo com uma versão do século XXI desta batalha - e, já agora, juntar ‘Ga Ga’ e ‘Machines’ mais uma vez. E isto está muito de acordo, com a nossa crença de longa data de que um espetáculo de Rock deve ser ao vivo e arriscado, em vez de ser tocado com cliques e apoios eletrónicos."


Roger Taylor acrescenta: "Machines" nasceu da eletrónica que explorámos originalmente em 'Radio Ga Ga' para criar esta sensação de batalha entre o lado elétrico e o lado humano. Agora, numa altura em que o mundo se está a tornar cada vez mais num mundo de máquinas e em que estamos todos a tentar acompanhar o ritmo, sentimos que era a altura perfeita para reavivar esta ideia de basicamente voltar aos humanos."


Reintroduzida na Setlist dos Queen para a mais recente, terminada, digressão norte-americana da banda, a reação febril ao vivo a Machines (Or Back To Humans), levou agora a banda a lançar a faixa original como single digital, disponível desde 10 de novembro.


Roger Taylor refere: "Basicamente, começa onde tudo é eletrónico - bateria eletrónica, tudo, e o que temos é a banda de Rock "humana" a entrar em colapso. O que acaba por acontecer é uma batalha entre os dois."


Originalmente escrita por Brian e Roger há quase 40 anos e hoje ocupando uma posição central na espetacular produção ao vivo da banda, Machines é indiscutivelmente mais atual do que nunca.




Comentários


bottom of page