Nome: John Deacon
Data de Nascimento: 19 de Agosto de 1951 
Lugar de Nascimento: Leicester, Inglaterra
Instrumentos: Baixo, contrabaixo, guitarra e teclas.

A primeira guitarra de John Deacon foi uma Tommy Steele special vermelha em plástico, que os pais lhe compraram quando ele tinha sete anos. 

 

O pai de John, Arthur, levou-o numa direção diferente, encorajando-o a entrar no mundo a eletrónica, o hobby que o próprio Arthur adorava. Um dos primeiros projectos de John incluiu a adaptação de uma fita de bobina para gravar música da rádio - usualmente os The Beatles e Alan Freeman's Hit Parade. O interesse do John pela electrónica passou a uma paixão e na sua juventude ele pensou seriamente em seguir essa carreira.

 

Ao mesmo tempo que o seu interesse por electrónica crescia, o mesmo aconteceu com o seu interesse pela música, particularmente desencadeado pela sua compra dos primeiros dois álbuns dos The Beatles. De quem se tornou um grande fã e assim, John tomou a decisão de aprender a tocar guitarra. John poupou dinheiro e conseguiu comprar uma guitarra "como deve ser". Dedicou-se seriamente a praticar e pouco tempo depois já estava a fazer jams na garagem de um amigo. Aos 14 anos, John já tinha experiência suficiente para formar a sua primeira banda, os The Opposition.

 

Durante os anos seguintes, os The Opposition tiveram vários integrantes e realizaram múltiplos concertos. No final de 1966, a banda começou a ganhar seguidores na cidade de Leicester. Mas quando, mais tarde nesse ano, o baixista deixou a banda, coube a John ocupar o seu lugar. Então, ele comprou o seu primeiro baixo, um Eko, por £22, e com a mudança de membros, a banda mudou o seu nome para The New Opposition, com o John agora no baixo.

 

Várias mudanças de nome depois (a banda chamava-se agora Art), 1969 viu a saída de John da banda para ir para Londres para estudar eletrónica no Chelsea College na Universidade de Londres. Nesse momento, a música passou para segundo lugar, mas claro que John levou consigo a sua guitarra acústica para o caso da oportunidade aparecer. John graduou-se com distinção no curso de Electrónica nesse mesmo ano.

 

Em Outubro de 1970, John foi assistir ao concerto de uma nova banda chamada Queen. Ele recorda, "Eles estavam todos vestidos de preto e as luzes também eram muito fracas, por isso tudo o que eu conseguia ver eram quatro sombras. Naquela altura não me deixaram uma impressão marcante."

 

Mas vários meses depois, no início de 1971, John reencontrou novamente os Queen, quando foi apresentado a Brian May e Roger Taylor. Ambos os músicos, não tinham ficado impressionados com nenhum baixista que encontraram e teriam acabado de perder o seu sétimo. Então perguntaram a John se este estaria interessado num audição e dias depois John deu por si na sala do Imperial College onde a banda estava a ensaiar. Ele levou consigo o seu confiável baixo e o seu amplificador personalizado, agora conhecido como o lendário "Deacy Amp". Começou por aprender Son and Daughter e algumas outras músicas que o grupo andava a tocar. Pouco tempo depois, a 1 de Março de 1971, John Richard Deacon, tornou-se o quarto e um dos membros definitivos de Queen, e conta a história, que foi não apenas porque era um baixista brilhante, mas também porque era sossegado e não tentou ofuscar os outros, particularmente o vocalista da banda, o maior que a vida, Freddie Mercury. Com apenas 19 anos, John era o membro mais novo da banda.

O amplificador personalizado, o "Deacy", que ajudou John a conseguir o seu lugar nos Queen, é também utilizado por Brian May, foi inclusivamente comercializado. A imagem de John como o sossegado, estendeu-se às primeiras gravações, em Londres, que se focaram em temas escritos por Freddie, Brian e Roger. O papel de John como o "homem invisível" do grupo foi marcado num tom humorístico no primeiro álbum da banda, Queen, com a mudança nos créditos para Deacon John, para que parecesse mais interessante. Isto voltou ao normal no Queen II.

 

Foi necessário esperar até ao terceiro álbum, Sheer Heart Attack, para que aparecesse o primeiro tema composto por John, o catchy Misfire. John era um tipo mais pop - contrariamente a Brian e Roger com as suas raízes rock e as grandes paisagens musicais de Freddie - as habilidades de escrita de John floresceram nas sessões que se seguiram. John foi responsável por vários dos maiores e mais populares hits dos Queen, incluíndo You’re My Best Friend, I Want To Break Free e Another One Bites the Dust, que elevou a carreira dos Queen a novos patamares nos Estados Unidos, ficando em primeiro lugar dos tops durante três semanas e sendo votado como o single favorito na categoria Pop/Rock dos American Music Awards de 1981.  O single Another One Bites the Dust foi um êxito tão grande que até encontrou público nas rádios de audiência negra, alcançando o segundo lugar nos tops de R&B nacionais. Juntamente com We Are The Champions e We Will Rock You, o tema tornou-se lendário ao ser o terceiro grande hino de desporto dos Queen.

 

John realizou algum trabalho a solo quando em 1986 formou os The Immortals e lançou um single No Turning Back, e contribuiu para a banda sonora original do filme "Biggles", baseado na personagem do piloto da Royal Flying Corps da série de romances escrita pelo Captain W.E. Johns.

 

Actualmente John vive retirado dos Queen mas continua interessando em manter o legado da banda e continua em contacto com os antigos membros de banda, Roger Taylor e Brian May.

 

A última aparição em palco com os Queen aconteceu no Paris National Théâtre de Chailioton, a 17 de Janeiro de 1997 aquando a gala de estreia do inspirado pela SIDA- Ballet for Life de Maurice Béjart, dedicado a Freddie Mercury e ao dançarino Jorge Donn. Onde tocou The Show Must Go On com Elton John a juntar-se à banda.

 

John juntou-se aos seus antigos companheiros de banda, uma última vez, no final de Outubro de 1997 para gravar o tema de Brian May No-One But You (Only The Good Die Young), lançado pelos Queen como forma de tributo pessoal a Freddie Mercury.

 

SOBRE NÓS:

O Homem, por si só, não consegue viver isolado. Os seres humanos precisam de comunicar, expressar… precisam que a sociedade lhes garanta uma estrutura onde ele se revejam. As comunidades são importantes porque acolhem, protegem e permitem a partilha. São micronações reguladas de forma endógena pelo interesse no bem comum e o Queen Portugal é tudo isto sendo que o nosso bem comum são a melhor banda de rock de todos os tempos: os Queen.

© QUEEN PORTUGAL
2011 - 2021